sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Eros (Platão)

Uma das coisas mais belas é a sabedoria e Eros é amor pelo belo, de modo que é forçoso dizer que Eros é filósofo e, sendo filósofo, está entre o sábio e o ignorante

Platão

Platão começa relacionando a beleza com a sabedoria, ao passo que invoca a relação de Eros com a primeira. Uma vez que Eros representa o amor pelo belo (talvez a verdade, objeto de desejo do filósofo) surge a necessidade em Platão de diferenciar o mesmo de Eros, que não pode ser considerado um amante da sabedoria tão-somente por representar o amor pelo belo, o que seria por demais "forçoso".

Caso, porém, concebêssemos que Eros trata-se de um filósofo, o teríamos numa posição mediana, ou intermediária, entre o sábio - ou a verdade em sua plenitude - e a plena ignorância, ou seja, Eros está no meio do caminho e estático em relação aos dois extremos, sendo a conotação de sabedoria atribuída ao seu vínculo com o belo.

O "belo" é uma qualidade da sabedoria, assim como Eros é o amor pelo belo, o que não significa dizer que Eros se aproxima do todo [nesse caso, a sabedoria] mas só a uma característica dela, que por ser apenas uma parte de algo maior não pode ser considerada na plenitude, o que nesse caso seria o fato de ser ou não filósofo.

Portanto, pela sua relação com o belo e sendo este qualidade da sabedoria, Eros estaria entre a sabedoria e a ignorância.

Um comentário:

  1. EM SENTIDO ESPECÍFICO O EROS SE IDENTIFICA COM O "ESPÍRITO" CIENTÍFICO EM SUA MODALIDADE INTELECTUAL.QEU LEVA O FILISÓFO A INCORPORAR APODERAR-SE E USUFRUIR DE SABEDORIA.

    ResponderExcluir